Skip to main content

Gestão dos riscos associados à mudança climática

Nas últimas duas décadas, a preocupação com a degradação ambiental e as mudanças climáticas aumentou gradualmente e, consequentemente, essa preocupação vem ocupando um lugar de destaque na agenda política global.

Estudos científicos realizados até o momento têm se concentrado em demonstrar a origem antropogênica dessa mudança, argumentando que a emissão contínua de gases de efeito estufa (GEI o GHG por suas siglas em inglês) está causando um aumento na temperatura média da Terra, que terá sérias consequências sociais e econômicas no médio prazo.

desvios-de-temperatura-em-relacao-a-media-global-emissoes-CO2

Inicialmente, o foco estava na consideração do impacto da atividade econômica no meio ambiente e, como resultado, no necessário fomento de práticas mais respeitadoras do meio ambiente, como evidenciado pela ampla adoção de normas internacionais como GRI Sustainability Reporting Standards. No entanto, nos últimos anos, numerosos agentes do setor público e privado surgiram fortemente em nível internacional, enfatizando as consequências às quais países, empresas, sistema financeiro e economia global estão expostos. Tudo isso prioriza a compreensão dos riscos associados ao aquecimento global e a necessária transformação do atual modelo de produção.

 


Os impactos ambientais derivados das mudanças climáticas

 

Juntamente com o aumento do nível do mar causado pelo derretimento das áreas do Ártico e pela acidificação dos oceanos, várias fontes apontam como uma das principais consequências das mudanças climáticas o aumento da frequência e severidade de eventos extremos, como furacões ou inundações9. Esses fenômenos podem causar sérios danos à economia mundial. De acordo com o mais recente estudo da renomada Carbon Disclosure Project, as 215 maiores empresas do mundo estimam que sua perda potencial em valor de ativos devido a impactos climáticos adversos seria de cerca de 170 bilhões de dólares, o que representa cerca de 1% de sua capitalização de mercado. 

Um exemplo disso é o caso da empresa PG&E, o principal fornecedor de eletricidade do estado da Califórnia, considerado por muitos como o primeiro caso de falência causado diretamente pelos efeitos das mudanças climáticas. Após os incêndios devastadores que devastaram a Califórnia no outono de 2018, a empresa de energia elétrica teve que declarar oficialmente a falência, como resultado do terrível dano sofrido em sua infraestrutura e das obrigações milionárias pelo papel desempenhado por seu sistema elétrico como a causa dos incêndios. De acordo com o consenso geral, condições extremas de seca e calor foram determinantes na origem, expansão e severidade dos incêndios. Outro caso semelhante é o do setor de seguros, indicado como um dos mais expostos a riscos físicos decorrentes das mudanças climáticas. As perdas anuais seguradas em todo o mundo multiplicaram-se por 20 desde a década de 1970, para uma média de US$ 65 bilhões durante esta década. Somente em 2018, esse número atingiu 85 bilhões de dólares. 

Certas regiões do mundo e setores econômicos estarão particularmente expostos aos riscos de um clima cada vez mais instável e do aumento dos níveis de água. No entanto, em uma economia globalizada, as mudanças climáticas afetarão todos os países e setores industriais em maior ou menor grau e representarão um desafio significativo à estabilidade do sistema financeiro global.

Por fim, surgirão desafios importantes para as empresas derivadas da adaptação a uma maior consciência social, do surgimento de novas regulamentações e do impacto nos mercados financeiros.

 

O contexto social

 

A preocupação com as mudanças climáticas tomou um lugar de liderança na consciência coletiva global. Existem inúmeros estudos que indicam que grande parte dos consumidores mudaria seus hábitos para reduzir seu impacto no meio ambiente e que expressam seu desejo de que as empresas os ajudem a viver de maneira mais sustentável. No mercado dos EUA, os dados refletem que, no período 2014-2017, houve um crescimento nas vendas de produtos classificados como “sustentáveis” do que nos produtos convencionais.

Essa tendência está levando ao surgimento de novas oportunidades e modelos de negócios baseados no respeito ao meio ambiente, no compartilhamento de recursos ou apoiados em critérios de sustentabilidade. Ao mesmo tempo, também gera riscos como os decorrentes da mudança na percepção social do impacto negativo de certos setores, alinhados às mobilizações sociais de que governos e empresas exigem medidas drásticas para combater o aquecimento global.

Como consequência do exposto, testemunhamos nos últimos anos uma onda de processos judiciais que criaram um novo precedente, introduzindo os conceitos de “responsabilidade e direitos climáticos”. Esse fenômeno está ganhando força especial nos Estados Unidos e não surpreende que as empresas de combustíveis fósseis sejam as mais afetadas. De acordo com Michael Gerrard, Fundador do Centro Sabin de Direito da Mudança Climática da Universidade de Columbia, mais de 1.000 processos climáticos foram iniciados nos EUA.

Um dos casos recentes mais controversos foi a ação dos estados de Nova York (processo em que recentemente foi declarado inocente) e Massachusetts contra a gigante petrolífera Exxon Mobil, acusada de confundir seus acionistas quanto aos custos e riscos reais das mudanças climáticas na empresa. A Total é outra empresa petrolífera que também foi processada por várias cidades e ONGs, acusada de não fazer esforços suficientes para mitigar as mudanças climáticas. Outro caso é o das mais de dez cidades americanas, de Nova York a São Francisco, que processaram grandes empresas de combustíveis fósseis pelos danos sofridos devido ao aquecimento global. Além disso, em 2018, um grupo de pescadores da Califórnia e Oregon processou 30 grandes empresas de combustíveis fósseis por seu papel nas mudanças climáticas e pelos danos causados à sua atividade. Por fim, e adicionando a todo esse contexto judicial, deve-se notar que uma comissão filipina de direitos humanos abriu uma audiência judicial em Nova York para estudar se as grandes empresas de petróleo estão violando os direitos humanos por serem causas diretas das mudanças climáticas. 

O setor público não foi incólume ao longo deste processo de judicialização decorrente das mudanças climáticas. Nos últimos anos, cidadãos dos Estados Unidos, Canadá, Holanda, Irlanda e Paquistão, processaram seus governos por não agirem com determinação suficiente para reduzir as emissões de gases de efeito estufa e conduzir a transição para uma economia sustentável.

Esse aumento nos processos climáticos judiciais envolve um grande risco que as empresas devem considerar, especialmente aquelas pertencentes a setores industriais que originam um maior volume de emissões de GEE.

 

Iniciativas multilaterais e movimentos regulatórios

 

O Acordo de Paris estabelece objetivos em nível internacional, a fim de “manter o aumento médio da temperatura global bem abaixo de 2 ° C em relação aos níveis pré-industriais e continuar os esforços para limitar esse aumento de temperatura a 1,5 ° C”. Esse compromisso implica que os países signatários devem estabelecer medidas para reduzir rapidamente suas emissões de gases de efeito estufa e favorecer a transição para um sistema econômico descarbonizado, o que requer uma transformação drástica da economia em todos os setores produtivos.

No entanto, uma transição desordenada para uma economia de baixa emissão pode causar grandes distúrbios na economia global. É por isso que, nos últimos anos, várias agências reguladoras e instituições supranacionais, principalmente do setor financeiro, se voltaram inicialmente para o desenvolvimento de recomendações e, posteriormente, para regulamentá-las para favorecer a consideração e o gerenciamento de riscos decorrentes das mudanças climáticas. Seu objetivo é duplo: por um lado, entender melhor quais são os riscos climáticos aos quais a economia está exposta, a fim de poder gerenciá-los e, por outro lado, favorecer a transição para uma economia de baixas emissões de GEE por meio do reconhecimento desses riscos. Das recomendações do TCFD, adotadas pelas organizações mais relevantes nos setores público e privado, até a recente regulamentação europeia e do Banco da Inglaterra, as normas e regulamentações sobre riscos climáticos não deixaram de avançar, com expectativa de maior impulso nos próximos anos.

 

A adaptação dos mercados financeiros

 

A crise de 2008 refletiu a importância de reconhecer todos os tipos de riscos aos quais as empresas estão expostas. Nesse sentido, a solicitação de empresas por investidores institucionais e companhias de seguros para promover transparência sobre o impacto e estratégias para enfrentar os riscos decorrentes das mudanças climáticas - especialmente para os setores mais vulneráveis - tem crescido em últimos anos. Um dos exemplos mais relevantes é o recente anúncio da BlackRock, que indicou que deixará de investir em empresas que não são suficientemente transparentes no ASG. 

 

Inversiones sostenibles por región

Por outro lado, a crescente demanda por produtos financeiros “verdes” por parte dos investidores, juntamente com normas pouco claras sobre o que é considerado um produto financeiro sustentável (incluindo diferenças metodológicas relevantes nas classificações das agências de classificação especializadas nos critérios ISR) resultou no crescimento do chamado efeito “greenwashing”. Nesse sentido, os reguladores dos mercados de valores mobiliários de diferentes geografias (por exemplo, o Plano de Finanças Sustentáveis da Comissão Europeia, revisado pela FCA britânica do setor de “investimentos éticos”) adotaram medidas diferentes para oferecer maior transparência e homogeneidade na aplicação de critérios.

 

Um contexto de novas oportunidades

 

Apesar dos riscos inerentes, as mudanças climáticas também trazem novas oportunidades de negócios, principalmente naquelas áreas que são concebidas como soluções para o problema. É o caso de produtos e serviços gerados com baixas emissões, transportes que não envolvem uso intensivo de combustíveis fósseis (ferroviários, veículos elétricos etc.), geração de eletricidade e alternativas de transporte por meio de energia renovável ou menos poluente, engenharia para projeto e construção de usinas nas quais essas energias alternativas são geradas, etc. Além disso, o foco na sustentabilidade é percebido como uma oportunidade para as empresas favorecerem seu posicionamento, melhorando sua reputação.
Um exemplo de tudo isso são as fortes reavaliações experimentadas no mercado de ações pelas empresas que optaram pela energia verde, mesmo com medo de que a possibilidade de avaliações muito altas cause a geração de uma "bolha verde".

Neste contexto de novos investimentos, a Presidente da Comissão Europeia (Úrsula Von der Leyen) anunciou em seu discurso de abertura na COP25 em Madri que a UE publicará um Plano Europeu de Investimento Sustentável, como parte do Novo Pacto Verde, que incluirá o investimento de um trilhão de euros em dez anos. Nesse discurso, ele também definiu esse plano como a "nova estratégia de crescimento na Europa". Além disso, durante a celebração da COP25, o governador do Banco da Inglaterra (BoE), Mark Carney, também falou sobre o assunto, estimando que será necessário um investimento de cerca de 90 trilhões de dólares em investimentos em infraestrutura entre 2015 e 2030, o que isso significará grandes oportunidades em diferentes setores (por exemplo, energia, transporte ou alimentos).

A canalização do financiamento para essas oportunidades se manifesta no setor financeiro em expansão no fornecimento de produtos financeiros específicos, entre os quais títulos verdes (produtos de renda fixa destinados a financiar projetos que atendem a determinados critérios ambientais, atividades identificadas) sustentáveis ou projetos cujo objetivo esteja relacionado à mitigação das mudanças climáticas.

Além disso, outros produtos foram desenvolvidos no setor financeiro que podem reduzir o impacto necessário do investimento de capital nas mudanças climáticas. Alguns desses novos produtos são empréstimos e depósitos verdes, planos de financiamento de eficiência energia, apoio a startups inovadoras, vinculando taxas de juros a desempenho sustentável ou financiamento à conservação. 
 

mercado de bonos verdes

 

Conclusões

 

A adaptação dos agentes econômicos ao novo contexto social, à aceleração das mudanças regulatórias emergentes e à demanda de investidores derivados das mudanças climáticas, não deixa de ter desafios significativos. O ponto de partida é o reconhecimento desse risco como um risco transversal emergente sobre o qual as empresas devem se aprofundar para garantir uma compreensão de sua natureza, uma avaliação adequada de seu impacto e sua integração em seus modelos de gerenciamento de riscos. Paralelamente, eles devem revisar suas estratégias e empreender planos para transformar seus modelos de negócios.

Nesse contexto, este estudo tem como objetivo oferecer uma perspectiva sobre o presente e o futuro dos riscos associados às mudanças climáticas para as organizações. Para isso, o documento está estruturado nas seguintes seções que tem como objetivo:

  • Aprofundar a natureza dos riscos associados às mudanças climáticas, juntamente com uma visão da estrutura regulatória associada.
  • Revisão dos princípios de gerenciamento desses riscos em seus diferentes aspectos: mapa de riscos, governança, metodologias de avaliação, integração na gestão e geração de relatórios.
  • Aprofundar as metodologias para avaliar esses riscos no setor financeiro e seus diferentes usos regulatórios e gerenciais.
  • Análise da incorporação dos riscos de mudanças climáticas na avaliação de ativos financeiros.

Por fim, deve-se ter em mente que, embora dependendo da transversalidade e multiplicidade de impactos, a denominação correta desses riscos seja “riscos derivados das mudanças climáticas”, ao longo deste documento também serão utilizadas variações dessa denominação, como riscos de mudanças climáticas ou simplesmente riscos climáticos. Da mesma forma, vamos nos referir indistintamente às mudanças climáticas como aquecimento global e, embora o CO2 não seja o único gás cuja acumulação atmosférica causa esse fenômeno - sendo outros GEE o metano ou vapor de água -, faremos alusão fundamental a isso, sendo seu indutor principal. 

Para mais informações, acesse o documento completo em PDF clicando aqui (também disponível em Espanhol e Inglês).


White papers recentes