Skip to main content

Diretrizes sobre identificação e mensuração de risco de step-in

Comitê de Basileia sobre Supervisão Bancária (BCBS)

A recente crise financeira mostrou que os bancos às vezes têm incentivos adicionais às obrigações contratuais para financiar entidades não consolidadas com as quais têm relações. Assim, em alguns casos, os bancos optaram por financiar entidades bancárias paralelas em dificuldade para evitar enfrentar uma perda de reputação devido à sua falência, mesmo que não tenham participação neles nem tenham obrigações contratuais para realizar esse financiamento.

Neste contexto, após a publicação de dois documentos consultivos em dezembro de 2015 e março de 2017, o BCBS publicou diretrizes sobre identificação e gerenciamento de risco step-in, com o objetivo de mitigar os possíveis efeitos do sistema shadow baking através da adoção das lições aprendidas em relação ao risco derivado das relações existentes entre os bancos e, conseqüentemente, identificar as situações em que há um risco step-in e é necessário antecipar-se.

Assim, estas Diretrizes não implicam automaticamente uma sobrecarga adicional de capital ou de liquidez do Pilar 1 nos atuais padrões de Basileia, mas fornecem aos bancos e supervisores um método para identificar o risco de entrada e uma lista de possíveis medidas de mitigação, que complementam os atuais mecanismos prudenciais.

Esta Nota Técnica inclui uma análise do conteúdo principal dessas Diretrizes.

Resumo executivo

Este quadro conceitual, cuja entrada em vigor está programada para o mais tardar em 2020, especifica o papel que os bancos e supervisores devem assumir na identificação e mensuração do risco step-in.

Âmbito de aplicação

Estas Diretrizes são aplicáveis ​​a todas as entidades sujeitas ao quadro de Basileia.

Conteúdo principal

  • Os bancos devem realizar periodicamente uma auto-avaliação do risco step-in de acordo com as seguintes fases:
    • Definição das entidades sujeitas à avaliação para potencial risco de entrada (ou seja, entidades não consolidadas que mantêm com os bancos um dos 3 tipos de relacionamento especificados pelo BCBS).
    • Exclusão de entidades intangíveis ou susceptíveis de isenção coletiva.
  • Avaliação de entidades em relação a uma série de indicadores (por exemplo, natureza e grau de patrocínio, grau de influência, financiamento implícito, etc.).
    • Determinação do método de estimativa e das ações apropriadas (por exemplo, inclusão de uma entidade no perímetro de consolidação regulatória, método de conversão, etc.).
    • Relatório da auto-avaliação, usando os modelos fornecidos pelo BCBS.
  • Além da auto-avaliação, os bancos devem estabelecer políticas e procedimentos que descrevam os processos usados ​​para identificar entidades que não estão consolidadas e o risco associado.
  • Por sua parte, os supervisores devem rever as políticas e os procedimentos das entidades, bem como as auto-avaliações.
  • Os supervisores devem ter autoridade para exigir que as entidades corrijam as deficiências na abordagem de gerenciamento de risco.

Clique aqui para acessar o documento (versão em Inglés).


Notas técnicas recentes:

© GMS Management Solutions, S.L., 2018. Todos os direitos reservados. A informação contida nesta publicação tem caráter geral e não constitui opinião profissional e nem serviço de assessoramento de nenhuma espécie. Os dados utilizados nesta publicação proveem de fontes de informação públicas. A GMS Management Solutions, S.L. não assume responsabilidade alguma sobre a veracidade ou correção de tais dados.