Skip to main content

Basileia III: finalização da reforma pós-crise

Comitê de Basileia sobre Supervisão Bancária (BCBS)

Em dezembro de 2010, o BCBS publicou o marco de Basileia III com o objetivo de abordar o conjunto de deficiências identificadas no marco regulatório antes da crise e fornecendo uma sólida base regulatória para o sistema bancário que sustenta a economia real. Desde então, o BCBS publicou vários documentos de aconselhamento destinados a fortalecer o atual marco regulatório (por exemplo, através do aumento dos requisitos de capital, melhorando a quantificação do risco, revisando os pesos de risco (RW), do marco de capital de risco de mercado, risco de contraparte, etc.).

Neste contexto, o BCBS publicou Basileia III: conclusão da reforma pós-crise que inclui a revisão do marco atual de Basileia III para reduzir a variabilidade excessiva dos ativos ponderados pelo risco (RWA). Em particular, esta revisão do marco regulatório permitirá que a credibilidade do cálculo da RWA seja restaurada: i) melhorando a robustez e sensibilidade ao risco de métodos padrão de risco de crédito e risco operacional, o que permitirá a comparabilidade dos índices de capital do banco; ii) restringindo o uso de métodos baseados em modelos internos; e iii) complementando a relação de capital ponderada pelo risco com um índice de alavancagem e um piso de capital revisado mais robusto.

A Nota Técnica elaborada pela Área de Pesquisa e Desenvolvimento da Management Solutions inclui um resumo das reformas introduzidas pelo BCBS no marco regulamentar de Basileia III.

Resumo executivo

Este pacote de reformas para o marco regulatório aborda os seguintes aspectos: abordagens do método padrão (SA) e do método baseado em avaliações internas (IRB) para risco de crédito, o marco de ajuste de risco para avaliação de crédito (CVA), a estrutura de risco operacional, os pisos mínimos nos resultados agregados (output floors) e a estrutura de alavancagem (LR).

Âmbito de aplicação

As alterações introduzidas nesta reforma são aplicáveis ​​a todos os bancos com atividade internacional.

Conteúdo principal

  • Método SA para risco de crédito. As principais mudanças estão relacionadas à revisão de exposições individuais (por exemplo, exposições a bancos, empresas) e ao reconhecimento de classificações externas por supervisores nacionais, técnicas de CRM, etc.
  • Métodos IRB para risco de crédito. Nesse sentido, as principais mudanças abordam os mecanismos da abordagem IRB (que inclui a classificação das exposições, entre outras), as regras sobre exposições a bancos e exposições corporativas, de varejo e direitos de cobrança, bem como os requisitos mínimos da abordagem IRB.
  • Estrutura de risco CVA. As principais modificações incluem disposições gerais (incluindo abordagens SA-CVA e BA-CVA, cobertura CVA, etc.), abordagem BA-CVA (versão completa e reduzida) e abordagem SA-CVA (cobertura admissível, cálculos, etc.).
  • Estrutura de risco operacional. A reforma concentra-se no método padrão que inclui o componente indicador de negócios (BIC) e o multiplicador de perdas internas (ILM); a aplicação deste método ao nível do grupo; bem como em outros aspectos (por exemplo, critérios gerais / específicos sobre a identificação de dados de perda).
  • Pisos mínimos sob resultados agregados. Estes pisos foram revisados ​​considerando os requisitos do piso de produção (CET1, Nível 1 e capital total), o cálculo do piso de produção, os requisitos de divulgação, as datas de implementação e as disposições transitórias.
  • Estrutura da LR. As principais mudanças estão relacionadas à definição, requisitos e medidas de exposição em exposições ao balanço, exposições a derivativos, exposições a operações de financiamento de valores mobiliários e itens fora do balanço.

Clique aquí para acessar o documento (versão em Inglês).


Notas técnicas recentes: